Pirates of silicon valley

 

 

Estive a rever neste ultimo fim-de-semana, o filme «pirates of silicon valley», que retrata a história da Microsoft e da Apple desde os primórdios.

 

O filme já é algo antigo, mas esta muito bem conseguido e os actores são bastante parecidos com as pessoas reais.

 

O que me trás algumas saudades aos olhos, é na verdade os bons velhos tempos em que «qualquer um» podia criar fosse o que fosse na área de Informática e talvez ter sucesso.

 

Nos anos 80 quem criava pequenas empresas de desenvolvimento de videojogos para o ZX Spectrum e para o Commodore 64 eram quase sempre putos de 15 ou 16 anos com os amigos na cave.

 

Hoje em dia essas grandes oportunidades pertencem somente a grandes empresas com centenas de trabalhadores e a mais ninguém, alguns desses miúdos de antigamente são agora os cabecilhas de algumas dessas empresas.

 

 

 

 

As poucas coisas que apareceram nos últimos anos, como o computador BeBox ou o AmigaOne, foram rapidamente levadas para a falência ou para o esquecimento pela ganancia das grandes empresas.

 

 

Experimentei o sistema operativo BeOS da BeBox convertido para correr em PC”s  a uns anos valentes e devo dizer que era super-rápido e excelente mesmo num 486, embora tivesse alguma falta de aplicativos..

 

O AmigaOne nunca testei mas acredito que seja realmente outra coisa maravilhosa já que a palavra Amiga diz tudo! Também desapareceu ou pelo menos não teve o sucesso que se calhar merecia e cá em Portugal nunca ouvi falar dele...

 

Outra máquina que andava por ai e que gostaria de ter tido uma, era o sprinter que era uma mistura de algo parecido com um PC com um clone do Zx Spectrum tudo em um CPU Zilog, e que como é óbvio nunca chegou a Portugal também... (aqui nunca chega nada), e agora penso que já nem existe.

 

Alguns programas do sprinter no seu próprio DOS

 

 

Pois como será possível criar algum novo tipo de computador se a própria falta de software decidirá a partida a morte da máquina e a não aceitação da mesma pelo público?

 

O próprio Linux só começou a ser mais usado por grande parte das pessoas quando começou a ter uma maior quantidade de software mais parecido com o do Windows, como interfaces gráficos para programas de linha de comandos, já que muitos pensam que um terminal de comandos é uma coisa ultrapassada...

 

A minha conclusão é que está tudo dependente do que já existe, ninguém compraria um computador diferente se não existir software para ele, e nenhuma empresa vai desenvolver software para um computador que ninguém compra...

 

um ciclo vicioso...

 

 

O Gnu/Linux ainda é a melhor coisa que os PC's (Personal Computers) têem, abre portas e inumeras possibilidades, e não depende de ninguem..

 

No mínimo depende de todos nós, comunidade e apoiantes.

 

 

Cheers!

 

 

publicado por Adelino às 15:54 | favorito